Olá Clubeiros !!!

Olá Clubeiros !!!

Mensagem aos Clubeiros


Para você que curte o trabalho desses
músicos mineiros e que tem histórias para contar e compartilhar entre e fique a vontade.
.
PEDRO ROSSI

Feira Moderna - Um Woodstock Mineiro

Em 12 de agosto, a cidade de Três Pontas (MG) recebe
a primeira edição do projeto Feira moderna "Um woodstock mineiro". O festival homenageia os 40 anos de realização do show do Paraíso, promovido por Milton Nascimento em 1977 que ficou conhecido como o "woodstock mineiro". O evento colocou Três Pontas no mapa da música mundial pela revista Billboard.

video

O local escolhido é a Fazenda Pedra Negra, patrimônio histórico da cidade, que receberá ao longo de 12 horas de shows, apresentações de Lô Borges, Beto Guedes, Wagner Tiso, Nelson Ângelo, Francis Hime, Azymuth, Daniel Gonzaga, Compasso Lunnar convidando o guitarrista Frederah, Quarteto Sentinela e a banda Marginália.

SERVIÇO
Feira moderna - Um woodstock mineiro
Fazenda Pedra Negra (Três Pontas - MG; (35) 9.8705.7953. Sábado (12/8), às 12h. Os ingressos variam entre R$ 100 e R$ 300 (valores referentes a meia-entrada). Para o combo solidário, a entrada custa R$ 105 + 1kg de alimento não perecível. Vendas online: www.ipass.com.br. Não recomendado para menores de 18 anos.

Os Sonhos Também Morrem - Madds

Formada por três irmãos apaixonados por música, conheci “Os Madds” através da internet cantando algumas canções do Clube da Esquina. Aprofundando mais no trabalho da Banda (Thiago, Marcelo e Matheus Maddia), percebi  um repertório de bandas de rock clássico dos anos 60 e 70, como Beatles, Bee Gees, Rolling Stones, Who,The Kinks, Led Zeppelin, Deep Purple, Pink Floyd, Doors, America entre inúmeras outras.

Eles também possuem suas próprias canções, aqui destaco uma “Os Sonhos Também Morrem” que na minha leitura é uma influência clara de Lô Borges e por coincidência ou não, uma reflexão pessoal que nos  remete a música “Os Sonhos não Envelhecem” do Lô e Márcio Borges. 
Os caras são geniais. Rock de raiz mesmo, nada fabricado uma atitude “setentista” única, resgatando a alma das bandas dos anos 60 / 70 com todas as perfeições e imperfeições  daquela época, que fazia a riqueza real das canções que hoje não achamos mais.

E essencial para quem quer qualidade.